[Série boas práticas] 5 técnicas de redação para assessoria de imprensa

técnicas de redação

Você se preocupa com técnicas de redação na assessoria de imprensa? Trabalhar em redação já foi o sonho de muito jornalista, seja pelo o prestígio de trabalhar em uma grande mídia, a adrenalina de correr contra o tempo para fechar uma pauta ou o desejo de viajar pelo mundo.

Mas a mudança no mercado da mídia tradicional e o crescimento da demanda de serviços de assessoria de imprensa fizeram com que muitos profissionais migrassem para a área. Apesar de serem rotinas completamente diferentes, ainda existem muitas técnicas de redação que podem ser aproveitadas pelo assessor em seu dia a dia.

Técnicas de redação para assessoria de imprensa

1. Fuja do nariz de cera

O “nariz de cera”, ou o texto que é desnecessariamente prolixo, é inaceitável entre as técnicas de redação. Segundo o manual da Folha, ele é caracterizado por um “parágrafo introdutório que retarda a entrada no assunto específico do texto.” Ter esse cuidado vai fazer com que os textos fiquem com mais cara de redação e a tendência é que os jornalistas o leiam com mais atenção e sejam mais receptivos.

2. Procure referências, tendências, dados – TUDO!

Construa as suas sugestões de pauta da mesma forma que jornalistas de redação fazem: com dados! Trabalhar tendências do mercado ou trazer pesquisas que estejam relacionadas ao segmento do seu cliente são ações que ajudam a dar ainda mais valor ao material.

Afinal, você não estará vendendo a opinião da empresa, e sim mostrando que ela se encaixa em um contexto mais amplo, que poderá render uma matéria maior, inclusive, com outras fontes.

Em um mercado com altíssima concorrência e um número cada vez menor de veículos de notícias, essa poderá ser a diferença entre uma emplacada ou nada.

3. Texto de qualidade

Se antes falamos em ter referência e construir conteúdos de qualidade, neste tópico ressaltamos a importância de um texto de qualidade. Construa a sua sugestão de pauta como se fosse uma reportagem, com fontes e informações de relevância.

Tenha atenção à construção das frases, coerência do texto, gramática e ortografia. Se possível, construa uma esquema de revisão com seus colegas: um texto lido por várias pessoas antes da divulgação tem menos chances de erros. Quem sabe você até consiga ideias para tornar o material ainda melhor.

Ao escrever o release, você não precisa necessariamente seguir o estilo do jornalismo de redação, mas é importante lembrar, sim, das técnicas de redação e se atentar à qualidade e construção do texto também.

4. Notas

As notas são práticas típicas do jornalismo de redação: conteúdos curtos e geralmente exclusivos que trazem informações de relevância. O importante para o assessor de imprensa é lembrar-se de prezar pelo valor da informação.

Em vez de tentar emplacar uma nota apenas sobre o faturamento e o número de novos clientes de uma empresa, pesquise cenários de mercado que possam dar respaldo para esses dados. Atenção, porém, ao tamanho! Avalie o tamanho das notas geralmente publicadas no veículo de interesse.

5. Inovação e criatividade

Jornais, revistas e portais de notícias estão buscando constantemente novas formas de engajar o leitor e atrair um novo público. Invista, portanto, não só em pautas diferentes, mas também em novos formatos que possam ser replicados por essas mídias. 

Lembrar das técnicas de redação no dia a dia corrido da assessoria pode ser um desafio, ainda mais quando a preocupação é  mostrar resultados. Porém, investir um pouco mais de tempo se preocupando com esses cinco pontos que abordamos aqui pode fazer a diferença para você e o seu cliente!

Você já utiliza técnicas de redação no seu trabalho de assessoria?

whitepaper-4-CTA-posts-blog