Quero emplacar e não consigo: 6 características que você deve avaliar em cada veículo jornalístico

Apresentar resultado é um importante componente do trabalho de assessoria de imprensa. Afinal, o motivo que leva muitas empresas e artistas à procura dos serviços de assessoria é a necessidade de sair em algum veículo jornalístico. Mas, como já mencionamos em outros posts, o fechamento e as demissões em massa nas redações tornou altíssima a concorrência por um espaço na mídia. Por outro lado, o tempo do repórter para apurar matérias diminuiu. Diante desse paradoxo, como fazer para emplacar?

O estudo do veículo jornalístico

É cada vez mais importante estudar o veículo jornalístico que se deseja abordar e construir uma sugestão de pauta apropria para ele. Por que fazer isso? Cada meio de comunicação possui um público-alvo e, consequentemente, um projeto editorial adequado a esse público. Estudar o canal que você quer emplacar vai permitir que você entenda o seu funcionamento, inclusive a rotina do repórter, e assim, você terá mais chances de conseguir o espaço tão desejado.

Características a serem avaliadas

  • Público-alvo: entender a segmentação do veículo e seu público-alvo vai facilitar a construção da pauta, ou até verificar se aquela sugestão será mesmo apropriada. Esse item é especialmente importante para não queimar o relacionamento com o repórter ou editor.
  • Periodicidade: monitorar a periodicidade de uma revista, jornal ou mesmo uma coluna vai te dar uma dimensão da concorrência por aquele espaço. Uma coluna diária em um jornal de alcance nacional pode ser um espaço menos concorrido do que um similar em uma revista semanal. Tudo dependerá do público-alvo que você quiser atingir e da disponibilidade de espaço.
  • Alcance: outra característica que deve ser avaliada é  o alcance de uma publicação. Com isso, será determinada a relevância. Se o seu cliente tem atuação estadual, uma nota numa coluna que é muito distante da região de atuação pode não ser tão interessante. Ao mesmo tempo, se ele não tem condições de ampliar  o seu negócio, uma emplacada nacional pode gerar uma demanda que ele não está preparado para suprir. É preciso ter atenção ao alcance e pensar no cliente  de forma estratégica.
  • Editorias e seções especiais: saber o que compõe o veículo jornalístico é importantíssimo para a criação de sugestões de pautas certeiras. Algumas publicações possuem espaços de artigos ou outros canais dedicados a contar cases. Essas podem ser boas oportunidades para o cliente de assessoria de imprensa.

    Outros pontos importantes

  • Últimos temas abordados: verificar os últimos temas abordados vai impedir que você desperdice tempo fazendo sugestões repetidas. Ao mesmo tempo, pode ajudar a entender como funciona a escolha de pauta, quais elementos são essenciais, etc.
  • Repórteres e editores: faça uma pesquisa sobre quem são os repórteres contratados e os freelas fixos daquele veículo jornalístico. Alguns deles podem ser mais fáceis de abordar do que outros. Fique atento também a possíveis recorrências de temas: a especialização de um repórter é uma tendência do mercado.

Mas o que torna um veículo melhor que o outro?

A percepção de veículo jornalístico melhor não existe. Há publicações mais apropriadas para um segmento ou para um cliente, mas pensar nos termos “melhores” e “piores” pode acabar prejudicando a visão do assessor de imprensa. Tente manter a mente aberta! O mais importante é atingir ao público certo e previsto no plano de divulgação.

Quais outras características você considera ao avaliar um veículo jornalístico? Conte para nós nos comentários!

ebook2-call-to-action